Análise Microspectroscópica de Falhas

  • Connect

Papel

Examinar heterogeneidade

Análise de Falhas Eficaz

Determinar a razão química por trás de uma falha num produto

Polímeros e produtos plásticos

Detectar composição errada, identificar contaminações

Partículas

Análise de Partículas, Contaminantes e Inclusões.

Electrónica

Determinar contaminações

Farmacêutica

Identificar partículas e inclusões

Automotiva

Analisar peças automóveis defeituosas

Análise de Defeitos
na Indústria do Papel

O papel moderno consiste em uma multidão de componentes diferentes. Além de fibras, cola, impregnantes e materiais auxiliares, o papel contém, dependendo do tipo, até 30% de cargas. Materiais de carga típicos são, por exemplo, carbonato de cálcio, talco, caulino, gesso e dióxido de titânio. Deste modo, as propriedades do material como a capacidade de impressão, brilho ou opacidade podem ser optimizadas conforme necessário. No produto acabado, os componentes individuais são visualmente praticamente indistinguíveis. Além disso, os defeitos têm frequentemente um baixo contraste visual e são, portanto, difíceis de analisar.

A espectroscopia FTIR é um método de medição pelo qual a identidade química de vários materiais orgânicos e inorgânicos pode ser determinada de uma maneira muito rápida. Uma vez que muitos tipos de papel têm uma composição muito heterogénea e os defeitos são frequentemente extremamente pequenos, a análise com métodos de medição macroscópicos normalmente não é possível.

Com o auxílio de um microscópio FTIR, é possível medir um espectro de IV em qualquer parte da amostra com uma alta resolução lateral e assim determinar a composição química do defeito. Uma medida de mapeamento permite a análise qualitativa dos componentes e a determinação da distribuição na área de amostra medida.

  • Identificação de contaminações

  • Identificação e distribuição de cargas

Análise FTIR duma Contaminação em Papel

Este exemplo mostra a análise de uma contaminação na superfície de uma amostra de papel. Devido ao baixo contraste visual, a área contaminada é apenas vagamente visível a olho nu. A análise do papel foi feita com uma medida de mapeamento automatizada. A imagem química resultante mostra a distribuição semi quantitativa da contaminação. A informação espectral adquirida permite identificar a contaminação como um silicato tornando muito mais fácil encontrar a causa da impureza.

clique para aumentar

Saiba mais na nossa Nota de Aplicação AN M137 sobre a identificação de defeitos e heterogeneidade no papel.

Informação adicional

© Copyright 2019 Bruker Optics